top of page

Precificar Serviços – Guia completo para precificação de serviços



Para qualquer que seja o ramo do seu negócio, precificar os serviços é algo determinante e essencial para o equilíbrio das contas e um bom desempenho.


Além disso, se você deseja fazer o seu fluxo de caixa rodar sempre no positivo, é bem interessante que você saiba como precificar os serviços da sua empresa.


Apesar de precificar serviços ser apenas uma forma de atribuir um valor econômico, é bem comum encontrar empresas que possuem dificuldades nesse sentido. No geral, a precificação é calculada em cima de variáveis com um propósito comum, que é o de aumentar o volume de serviços e o de obter lucro.


Entretanto, o valor cobrado pelo serviço precisa ser suficientemente para gerar lucro, mas também não pode ser tão exagerado ao ponto de deixar de ser atraente.


Por isso, a precificação do serviço é algo que precisa ser coerente com todos os custos que englobam a sua estruturação.




Um guia para você aprender como precificar um serviço em sua empresa


Você já teve prejuízo precificando errado o valor dos seus serviços?


Ou, por acaso, já se sentiu inseguro ao apresentar o preço para seu cliente?


Precificar serviços não é uma tarefa fácil.


No entanto, buscando o conhecimento necessário e ferramentas adequadas, essa missão pode ser bem simples.


E mais, pode ajudar sua empresa alcançar bons resultados e se não estiver muito bem, pode ajudar a sair do vermelho.


Pensando nisso, criei uma planilha com os principais itens que você não pode esquecer na hora de precificar os seus serviços.


A planilha é completa, bem simples de usar e faz diversos cálculos automaticamente sem a necessidade de você conhecer profundamente sobre tributos ou encargos sociais.




12 itens para você checar sempre que for precificar um serviço


#1 – Salários e Adicionais

  1. Relacione as quantidades de funcionários e as funções necessárias para executar o serviço.

  2. Verifique os salários de cada função. Importante lembrar que o valor do salário não pode ser inferior ao piso estabelecido pelo sindicato da sua classe.

  3. Avaliar se há possibilidade de ter horas extras ou trabalho noturno. Estime a quantidade e considere-as nos cálculos.

  4. Avaliar se alguma das funções estarão expostas à local insalubre ou periculoso. Identifique os percentuais e considere-os nos cálculos. Essas informações podem ser localizadas no PPRA ou PCMSO da sua empresa.


#2 – Benefícios

  1. Plano de saúde ou odontológico: Considerar o valor no cálculo do serviço, se sua empresa paga para os funcionários. Importante lembrar que algumas convenções coletivas obrigam o pagamento deste benefício.

  2. PPRA/PCMSO: Todas as empresas estão sujeitas às normas do Ministério do Trabalho em relação à saúde e segurança do trabalho. Por isso, é necessário contratar uma empresa especializada para criar estes programas. Levante este custo e considere no valor do cálculo do serviço.

  3. Seguro de Vida: Geralmente não é obrigatório fazer seguro de vida para os funcionários, mas é uma prática que recomendo, porque ajuda a minimizar possíveis impactos financeiros em casos de alguma fatalidade.

  4. Alimentação: Os gastos com alimentação geralmente incluem lanches e refeições.

  5. Treinamento: Para realizar alguns tipos de serviços é necessário capacitar os funcionários, por isso é importante calcular estes gastos para incluir no valor dos seus serviços.

  6. Cesta básica: Se você dá cesta básica para seus funcionários, seja voluntariamente ou por obrigação sindical, incluir também este gasto no valor dos seus serviços.


#3 – Uniformes e EPI’s

Neste item levante todos os gastos com uniformes e equipamentos de proteção para os funcionários que serão necessários para realizar os serviços.


Esta parte dos equipamentos de proteção merece especial atenção, porque se deixar para identificar a necessidade quando o contrato já tiver fechado ou sendo executado, dificilmente vai conseguir renegociar com seu cliente o valor contratado para incluir custos adicionais.


#4 – Primeiros Socorros

Este item muitas vezes esquecido, pode gerar custos relevantes dependendo do tamanho do contrato. Especifique corretamente os materiais e equipamentos necessários, para considerar no valor do serviço.


#5 – Transportes

Neste item é importante checar todos os transportes que serão necessários na prestação do serviço, para calcular corretamente os custos.


Exemplos:

  • Transporte dos funcionários;

  • Transporte de materiais;

  • Transporte de resíduos.


#6 – Máquinas e equipamentos

Todo maquinário ou equipamentos utilizados na prestação de serviços devem ter seus custos considerados no preço do serviço.


Qual valor considerar se este imobilizado é da sua empresa? Além dos gastos de manutenção dos mesmos, como por exemplo, manutenções corretivas, combustível e revisões, inclua também o valor da depreciação dos mesmos, ou seja, inclua no valor do serviço o custo da perda do bem.


#7 – Locações de máquinas e equipamentos

Em diversas situações locar máquinas ou equipamentos é mais viável do que comprar.


A compra de um imobilizado pode envolver custos com pessoal especializado para operação e custos com manutenção mesmo quando ociosos.


Por isso, avalie com cuidado, e se favorável utilizar a locação de máquinas ou equipamentos, considere o custo no valor do serviço.


#8 – Serviços de terceiros

É comum as empresas buscarem no mercado serviços profissionais para realização de determinada tarefa, ao invés de fazer internamente. Principalmente em casos de serviços especializados, como por exemplo, serviços de engenharia, contabilidade, advocatícios, entre outros.


Todos estes gastos devem ser levantados e também considerados no valor do serviço.


#9 – Materiais de consumo

Levantar os custos de todos os materiais que serão aplicados na realização dos serviços para considerar no valor dos serviços, exceto aqueles que serão de responsabilidade do cliente.


#10 – Custos Indiretos

Sabia que grande parte dos empreendedores esquecem de incluir no valor dos serviços a parte proporcional dos custos indiretos?


Os custos indiretos são aqueles não relacionadas diretamente com a prestação do serviço, mas são essenciais para apoiar as atividades operacionais da empresa.


Alguns exemplos de custos indiretos são:

  • Despesas administrativas: Salários do administrativo, aluguel, energia, telefone, entre outras despesas do escritório.

  • Apoio técnico: Serviços de engenheiros, contadores, advogados, entre outros.

Portanto, não deixe de incluir a parte proporcional dos custos indiretos no valor dos serviços.


#11 – Tributos

Lembre-se que os impostos de empresas optantes pelo Simples ou Lucro presumido, são calculados com base no valor total da receita, ou seja, no valor da nota fiscal emitida.


Se o cálculo do imposto for realizado em cima dos custos mais lucro desejado, para chegar no valor do serviço a ser cobrado do cliente, possivelmente sua empresa sairá no prejuízo.


Por isso é importante utilizar a Planilha de Precificação de Serviços para não errar na hora de precificar o serviço.


#12 – Encargos Sociais

Além dos valores de salários, adicionais e benefícios pagos aos funcionários, é importante reforçar que há também os encargos sociais sobre os mesmos e devem fazer parte do valor dos serviços.




Precificar serviços – Considerações


Por certo, entendo que esses indicadores serão fundamentais para um bom resultado em sua precificação de serviços.


E mais além, empresas que conseguem encontrar o preço ideal para seus serviços, possuem grandes chances de serem referências em seu mercado.


Portanto, dito isso, quero concluir dizendo que não basta apenas que seus serviços sejam de grande qualidade, mas também que tenham preços que demonstrem o seu valor justo, valorizando os seus clientes e seu negócio.


Desejo-lhe sucesso.



Commentaires


bottom of page